• nutricionistapaulosakuma

Game Changers


Este documentário está gerando grande polêmica, os maiores nomes da ciência estão criticando negativamente, pensei em escrever sobre o tema mas li o post de um grande pesquisar da área da nutrição, Asker Jeukendrup, que expressa toda minha opinião sobre o documentário , traduzi para vocês, pois o texto estava no site dele , https://www.mysportscience.com/single-post/2019/11/06/Is-game-changers-game-changing-or-is-it-sensationalism , em inglês . O texto é longo mas vale muito a leitura, ele aborda cada ponto do documentário .

Game Changers Nas últimas semanas, fui bombardeado com perguntas sobre o documentário Game Changers. Neste documentário, são destacados os benefícios de uma dieta plant based, bem como os perigos de comer carne. Os espectadores, muitos deles atletas, estão alarmados com algumas das mensagens, os cientistas estão nos dizendo o quão perigoso é comer carne e quão bom é comer vegetais para sua saúde e performance. Deveriam eles (atletas) mudar para uma dieta exclusivamente vegana? O documentario diz buscar a verdade, mas faz isso ? Antes de examinarmos um pouco mais as evidências cientificas, quero começar dizendo que não tenho problemas com a alimentação vegetariana, com vegetarianos ou veganos, e acho que todos devem tomar suas próprias decisões quando se trata de ingestão de alimentos. Se você quer seguir uma dieta paleo, é sua escolha, se você deseja seguir uma dieta cetogênico, essa é sua escolha, se você quer ser vegetariano ou vegano, isso é absolutamente normal. Minha filha é vegetariana, mesmo não gostando de legumes ... É uma escolha dela. Mas, embora eu não tenha um problema com as escolhas alimentares individuais das pessoas, eu tenho um problema sério com pessoas que querem que todo mundo coma do seu jeito, ou pessoas que afirmam que seu caminho é o único caminho. Eu tenho um problema com informações confusas, desinformadas ou até enganosas. Eu também tenho um problema com a ciência mal feita e quando são feitas alegações de que métodos científicos são usados, quando claramente não são. Eu também tenho um problema com a frase: se você comer carne, você morrerá! Bem, O documentário Game Changers parece fazer todas essas coisas com as quais tenho um problema. O documentário Game Changers marcam quase todas as caixas da pseudociência, e nenhuma das caixas da ciência (a seguir, apresentaremos alguns exemplos e discutiremos o que é pseudociência e o que é ciência). Você está confuso com todas essas dietas com as quais fomos bombardeados na mídia? Tivemos paleo há pouco tempo. Tínhamos que comer como nossos ancestrais, caso contrário desenvolveríamos doenças e morreríamos. Então nós tivemos cetogenica, precisamos ser da “dieta cetogenica”, caso contrário você terá diabetes e morrerá. Evite carboidratos! Agora não podemos fazer dieta cetogenica e definitivamente não podemos fazer dieta paleo, precisamos evitar carne! Vimos três tendências massivas no espaço de alguns anos. Acredite, os resultados das pesquisas científicas não mudaram neste curto período de tempo! A ciência não se move tão rápido ... No entanto, diferentes interpretações e especialmente opiniões mudam rapidamente ... Infelizmente, elas nem sempre são baseadas em ciência ou evidência, mesmo que possam fingir que sim. Existem algumas conclusões e declarações no documentário com quem pessoalmente concordo e com que a comunidade científica em geral também concorda. O principal ponto de concordância é que devemos comer mais frutas e vegetais. Eu acho que existem muitas evidências de que isso pode ajudar nossa saúde. Mas essa também é uma recomendação geral que nos é dada desde sempre! Não fomos bombardeados com esta mensagem? Não bombardeamos com a mensagem de 5 porções por dia? Se esse é o argumento do documentário ou o efeito dele, isso é ótimo. Um olhar mais atento Eu assisti o documentário 3 vezes. Na segunda e terceira vez, prestei atenção especificamente em como os argumentos foram construídos, que evidência foi usada e também que evidência NÃO foi usada. Na verdade, é este último que é o maior problema e o primeiro sinal de que estamos lidando com a pseudociência ... em nenhum lugar do documentário inteiro há uma discussão ou mesmo uma menção de visões diferentes. De fato, o corpo de evidências contra alguns dos argumentos é muito maior do que os poucos estudos de baixa qualidade usados para apoiar os pontos do documentário.  A maioria dos estudos escolhidos também é publicada em periódicos de qualidade baixa, onde geralmente há menos seleção para publicação.  Os estudos de boa qualidade não são mencionados porque os resultados não se alinham às mensagens do documentário. É isso que a pseudociência faz. Se você está envolvido em pseudociência, tem uma opinião e procura evidências que apóiam sua visão. Você apresenta todas essas informações e diz: veja isso prova que minha teoria está certa. Isso é completamente diferente do que a ciência é e faz. A ciência formulará uma hipótese e projetará um estudo para testar essa hipótese. Os resultados são discutidos criticamente: argumentos e contra-argumentos são cuidadosamente analisados. Um estudo não dará a resposta. A ciência é avaliada na totalidade das evidências, não apenas nos estudos selecionados que apóiam sua hipótese. A ciência é examinada por especialistas que podem ter visões diferentes, mas examinam objetivamente os dados coletados. O documentário é a jornada pessoal de James Wilks, um ex-lutador de MMA que descreve como se machucou, começou a ler e tropeçou no que chama de "um estudo sobre os gladiadores romanos" que "abriu sua mente" - neste momento no documentário , um artigo de aparência científica brilhou na nossa frente na tela. A narrativa descreve como os gladiadores romanos precisavam ser gordos para serem bem protegidos e, para isso, consumiram grandes quantidades de cevada, legumes e feijão. Procurei o estudo subjacente do Dr. Fabian Kanz e este estudo mostra evidências de dados isotópicos que sugerem que os gladiadores tinham uma dieta mista com uma alta parcela de vegetais. Então, eles não eram vegetarianos ou veganos. Eles apenas comeram muitos vegetais. Kanz explica como eles descobriram que os gladiadores tinham ossos muito fortes (alta densidade mineral óssea), o que pode ser explicado pelo treinamento em combinação com uma boa dieta. No documentário, não é mencionado que a razão pela qual os gladiadores fizeram isso foi engordar ( e não deixar os ossos fortes). Um estudo no PLOSone 1 utilizou métodos isotópicos diferentes para deduzir qual poderia ter sido a dieta dos gladiadores. Quantidades diferentes de alimentos na dieta resultam em quantidades diferentes de estrôncio nos ossos. Em geral, baixos níveis de estrôncio são encontrados em carnívoros e altos em vegetarianos. Os níveis de estrôncio podem ser visualizados como uma chama. Se a chama ficar vermelha, há muito estrôncio ... e uma enorme chama vermelha pisca diante de nós: Conclusão: o gladiador era vegetariano…. Bem não. Embora nossa mente goste de preto ou branco , neste caso, de vermelho ou azul, a realidade é que a maioria das situações da vida real são tons de cinza. Então, o que vemos, uma chama vermelha, só ocorreria em um caso extremo. Normalmente, a distinção entre dietas não é tão clara assim. Há uma sobreposição considerável nos espectros de luz entre carnívoros e vegetarianos. A chama vermelha faz bem para a TV, mas não é realidade. Existem algumas semelhanças com um exemplo que costumo usar ao discutir um exemplo realmente óbvio de pseudociência: água oxigenada. Em um dos anúncios dessa “água” mágica que é promovida como a cura para praticamente tudo, são apresentadas duas imagens térmicas de uma pessoa. Uma imagem com legenda ANTES é vermelha, a outra imagem com legenda APÓS é principalmente verde. Antes de beber água oxigenada, a pessoa é vermelha. O texto no site explica que isso significa inflamação. Depois de beber a água oxigenada, a pessoa fica verde. A inflamação se foi. Assim, a água oxigenada remove a inflamação! Existe a evidência! Bem, não, isso não é evidência: a quantidade de oxigênio que você pode encontrar na água é incrivelmente pequena e não absorvemos oxigênio no intestino: temos pulmões para isso. Então, você pode respirar o oxigenio , e isso é grátis! Esses tipos de comparações antes e depois são sem sentido, a menos que nos digam exatamente como os resultados foram obtidos, mas a resposta para isso nunca pode ser encontrada na pseudociência. Mas as chamas, o laboratório, que reveste os trabalhos de pesquisa na tela, rapidamente dão a impressão de que a ciência é real ali! Também não é surpreendente que a dieta de um gladiador fosse predominantemente baseada em vegetais. Os gladiadores romanos tinham gasto diário de energia que pode ser estimado em cerca de 5000 kcal para o soldada que realizava trabalhos normais e em 6000 kcal em treinamento ou ação de guerra. Isso é comparável aos ciclistas do Tour de France, que ingerem proteínas, mas a grande maioria de sua ingestão é de carboidratos (macarrão, arroz, pão, cereais, batatas)! Para os soldados, isso veio principalmente também dos carboidratos (trigo ou da cevada) . Não existe uma maneira prática de obter tantas calorias da carne e não poderia fornecer os carboidratos necessários para realizar o treinamento. Os gráficos aparecem na tela .. parecendo altamente científicos, mas esses gráficos são enganosos e realmente não fazem nenhum sentido. No início, há um gráfico de pizza que mostra que a proteína se torna cerca de 60% e os carboidratos apenas 40% quando a carne é consumida. Isso não faz nenhum sentido ... 60% do que ??? 40% do que? A ingestão de proteínas é tipicamente de 10 a 15% do gasto de energia de alguém. Uma alta ingestão de proteínas pode resultar em 20% da ingestão de energia proveniente de proteínas. Eu não acho que 60% seria possível com alimentos normais. Os gráficos parecem científicos, mas não representam a realidade e são enganosos. Carboidrato é planta e planta é carboidrato?  Parece também que, ao longo do documentário, as palavras carboidratos e alimentos vegetais são usadas de forma intercambiável. Um alimento vegetal não é um carboidrato e um carboidrato não é um alimento vegetal. É claro que os alimentos vegetais podem ser ricos em carboidratos, mas muitos deles não são. Portanto, é absurdo e enganoso usar os termos como sinônimos. Tudo isso já acontece nos primeiros minutos do documentário, definindo o tom para o que está por vir ... mas o espectador leigo está terrivelmente impressionado com as enormes mudanças (sejam elas quais forem), os grandes números e a mensagem de levar para casa é claramente que comer carne afeta sua performance. Eles dizem...  Uma abordagem que é frequentemente usada pela pseudociência, é fazer uma declaração como se isso fosse consenso (todos acreditam que ...) e, então, essa declaração é atacada. A afirmação aqui é "Atletas acreditam que proteína é para gerar energia" ... Eu trabalhei com muitos atletas nos últimos 25 anos e acho que não conheci um atleta que acha que proteína é usada para a geração de energia. Eu acho que quase todos os atletas diriam que é para recuperação, para construção muscular e talvez alguns espertos diriam que é para adaptação. Mas o documentário começa a se basear nessa "crença do atleta de que a proteína é para energia ...". Ele vai a um artigo de von Liebig no final de 1800 e de fato, este artigo afirma que a proteína é uma fonte de energia. Mas essa teoria foi refutada em 1912, foi demonstrado que carboidratos e gorduras eram os principais combustíveis para geração de energia. Mais estudos foram realizados na década de 1920. A afirmação de que atletas 100 anos depois pensam que proteína é para geração de energia é absurda. Mas ajuda os criadores do documentário a dizer: “você acredita, estamos errados o tempo todo? “ Mas agora encontramos a solução! Agora sabemos melhor! ... a realidade é que nada mudou. Não acreditávamos que a proteína era um combustível antes e ainda não acreditamos. Proteína suficiente das plantas? Wilks fica surpreso que você pode obter proteína suficiente das plantas. Mesmo ele como atleta com necessidades aumentadas, ainda pode atender suas necessidades usando alimentos à base de plantas. Mas isso é realmente tão surpreendente? Os atletas têm necessidades de proteína um pouco mais altas que as pessoas comuns, mas também precisam de mais da maioria dos outros nutrientes. Eles também gastam mais energia e também comem mais e assim, atender a essas necessidades nem sempre é um problema. Atender a essas necessidades a partir de alimentos à base de plantas não é impossível, e não tenho certeza de que alguém já tenha afirmado que não é possível, mas um atleta vegetariano ou vegano precisa ter um pouco mais de conhecimento sobre alimentação e talvez um pouco mais de esforço para atingir suas necessidades com uma alimentação plant based. Plant Based inferior No documentário, James Wilks diz: "Eu sempre ouvi dizer que proteínas à base de plantas são inferiores". Bem, elas são, se você compará-las em todos os quesitos! Os estudos mostram isso consistentemente ... o documentário não fornece as referências, por isso vou listar algumas delas para você : 2 3 4 5 6. A soja é provavelmente a proteína vegetal mais estudada e mais eficaz, mas estudos que avaliaram a resposta de síntese proteica à ingestão de proteína de soja mostraram que a ingestão de quantidades que variam de 17,5 a 40 g de proteína de soja não aumenta a síntese de proteína muscular na mesma extensão que a ingestão de quantidades comparáveis (isonitrógenas) de proteína de soro de leite 2 4, leite desnatado 5 ou carne bovina 6, tanto em repouso quanto após o exercício Incompleto Em seguida, outra afirmação é atacada, mas nenhum cientista jamais disse está afirmação ... "As proteínas à base de plantas não são completas, você não vai obter todos os aminoácidos" ... não acho que não possua todos os aminoácidos ... estamos preocupado com as quantidades ou proporções ideais de aminoácidos. E não se trata apenas da quantidade de certos aminoácidos na proteína que ingerimos, mas também da digestibilidade e absorção dessa proteína. Sabemos, por exemplo, que para otimizar a síntese de proteínas, precisamos de 2-3 gramas de leucina como parte da ingestão de proteínas em uma refeição. Isto é simplesmente mais fácil de obter a partir de proteínas animais do que proteínas à base de plantas. Por exemplo, beber um copo de leite é provavelmente mais fácil do que comer uma xícara de lentilhas. Ninguém disse que não é possível obter 3 gramas de leucina das plantas. Obviamente, quanto mais você come, mais fácil se torna atingir esse objetivo. O documentário conclui: “pesquisas comparando proteínas vegetais e animais mostraram que, quando a quantidade adequada de proteína é consumida, a fonte é irrelevante”. Isso é verdade. Mas na prática você precisará ingerir muitos vegetais para atingir as a quantidades ideais para síntese proteica ser otimizada , enquanto o mesmo pode ser alcançado muito mais facilmente com refeições menores contendo proteínas de origem animal. Isso é convenientemente deixado de fora da discussão no documentário. Muitos Muitos Artigos... Em vez disso, o que é mostrado ao espectador é o seguinte: A pesquisa mostrou consistentemente…. Os documentos aparecem na tela para indicar o grande número de estudos e as referências são mostradas … o espectador pensa: “Uau, todos esses estudos”… No entanto, se você olhar para essas referências e os estudos que aparecerem na tela em mais detalhes ... eles não são realmente estudos individuais! Enganador! Os artigos são de revisão onde a literatura é resumida, diz "se você ingerir a quantidade adequada de aminoácidos, a fonte não importa". O único artigo que abordou um pouco mais questão a fundo, é um estudo em que as proteínas de soro do leite e arroz são comparadas e os resultados mostram uma resposta semelhante entre as proteínas de soro do leite e arroz durante um período de 8 semanas. Hora de conversar comigo sobre isso: Eu: Espera aí. Os sujeitos comeram apenas proteína de soro do leite ou arroz por 8 semanas? Eu: Não, claro que não, eles ingeriram nos dias de treinamento. Eu: E o resto do dia? Eu: Eles comeram suas fontes normais de proteínas, incluindo proteínas animais e vegetais Eu: Então, é possível que se nenhum suplemento tivesse sido ingerido, os mesmos resultados seriam obtidos. Eu: Sim, isso é totalmente possível. Eu: Então, o estudo não mostra muito? Eu: Correto As histórias Patrick Baboumian, o homem mais forte do mundo, afirma ter ganho 25 kg após mudar para uma dieta baseada em plantas. Embora isso possa ser verdade, é realmente a dieta baseada em vegetais que é responsável por isso? Teria sido diferente com uma dieta diferente? O treinamento teve algo a ver com isso? Talvez outros fatores devam ser considerados? As competições de strongman não possuem uma política oficial de antidoping. Também não há menção a proteínas em pó e vários outros suplementos que teriam sido usados. Além da dieta, existem muitos fatores que poderiam ter contribuído para o ganho de peso. Com essas histórias, você pode concluir que é possível ganhar 25 kg com uma dieta baseada em plantas, mas não significa que isso não poderia ter sido alcançado com uma dieta diferente. Nem sequer exclui a possibilidade de outra dieta ter melhores resultados. Tudo o que é, é uma história . Seria possível encontrar um caso de um comedor de carne com resultados semelhantes, mas isso também não faria sentido para o documentário . Inflamação Então a discussão no documentário se volta para inflamação. Inflamação é ruim! Precisamos evitá-lo, certo? Bem, não, a inflamação é o que você precisa para melhorar. A inflamação é um sinal para ativar os processos de reparo no corpo e, em última análise, isso o deixará melhor. Sem inflamação, sem melhora. O que queremos evitar é a inflamação excessiva. Uma dieta baseada em plantas reduzirá a inflamação em 29% e o desempenho do supino melhorará 19% ao beber um copo de suco de beterraba ... Eu acho que qualquer pessoa que esteja em uma academia se assustaria (e definitivamente deveria) levantar as sobrancelhas com esse tipo de afirmação . Não devemos pegar os resultados de um estudo e apresentá-los fora de contexto. Se quisermos saber qual é o efeito do suco de beterraba, devemos examinar as evidências: todos os estudos relevantes sobre suco de beterraba. Alguns desses estudos terão resultados de uma maneira, outros estudos terão resultados de uma maneira diferente e os cientistas terão que chegar a uma conclusão analisando todos esses estudos. Essa conclusão NÃO é: beba um copo de suco de beterraba e aumente seu benchpress em 19%! Mas agora o documentário se volta para um estudo sobre hambúrgueres. “O mesmo estudo que mostrou que um único hambúrguer prejudica o fluxo sanguíneo (27%) também relatou um aumento na inflamação em 70%. Nas artérias, a inflamação reduz o fluxo sanguíneo; nos músculos e articulações, pode aumentar a dor e atrasar a recuperação ”. Espectador: Então, a carne causa redução do fluxo sanguíneo e inflamação, e a inflamação são realmente ruins…. Bem, vamos dar uma olhada neste estudo. É um estudo muito pequeno, no qual 11 indivíduos em ordem aleatória comeram um hambúrguer ou um hambúrguer com abacate. O estudo mostra uma redução significativa no fluxo sanguíneo e essa redução não ocorre quando o abacate é adicionado. Vários marcadores de inflamação também são medidos. Não há diferença no TNF-alfa sérico. Também não há diferença na IL-6 sérica uma hora após a refeição, ou 2 h após a refeição ou 3 horas após a refeição, 5h após a refeição ou 6h após a refeição, mas às 4 h após a refeição há uma maior Concentração de IL-6 no hambúrguer sem o abacate. Isso não significa que a inflamação é reduzida em 70% ... A inflamação é um processo complexo com muitos, muitos mediadores. Quando você mede uma alteração em uma das centenas de mediadores que poderiam ter sido medidas e essa alteração é observada apenas em um determinado momento, em um pequeno número de indivíduos, a conclusão de que dietas à base de plantas reduzem a inflamação em 70% talvez seja um pouco prematuro. Ah, e a propósito, o estudo foi financiado pela indústria de abacate. Quando o documentário se refere a um estudo que foi financiado pela indústria de carne, note-se imediatamente que, nas letras miúdas, afirma que o estudo foi financiado pela indústria de carne…. No entanto, o mesmo nível de atenção não foi usado no documentário quando este estudo sobre abacate foi discutido. Reivindicações fortes O documentário continua. São feitas fortes alegações: em proteínas vegetais, você obtém proteínas repletas de antioxidantes, fitoquímicos, minerais e vitaminas que reduzirão a inflamação, otimizarão a microbiota, o suprimento sanguíneo e a performance do seu corpo! Uau! Seria ótimo ter as evidências para apoiar esta afirmação! Mas não há nada para apoiar essas alegações na literatura. Não há um estudo que mostre que proteínas à base de plantas otimizem a performance. Não estou dizendo que isso não é verdade ou não é possível, estou apenas dizendo que não há evidências que suportem isso atualmente. É apresentado uma teoria que quando você cozinha alimentos ou digere proteínas, compostos altamente inflamatórios são formados: aminas heterocíclicas, nitrosaminas, N-óxido de trimetilamina e esses compostos "corroem o sistema cardiovascular". Só que não há tanto consenso e clareza na verdade. De fato, há um pouco de debate sobre o papel desses compostos e os efeitos que eles têm em situações da vida real, onde são frequentemente consumidos juntamente com frutas e vegetais, porque isso parece reduzir qualquer efeito negativo potencial destes compostos. A próxima reivindicação é apresentada ! “As pessoas que obtêm suas proteínas de fontes vegetais reduzem seu risco de doenças cardiovasculares em 55%!” Agora esse é um número assustador! Uma chance 55% maior de doença cardiovascular, é enorme... ou não? Agora, estou me voltando para um exemplo do livro Bad science, de Ben Goldacre, uma ótima leitura sobre erros que muitas vezes são feitos na interpretação dos resultados de estudos científicos. O artigo “Você tem 80 vezes menos chances de morrer de um meteoro na sua cabeça se usar um capacete de bicicleta o dia todo”, descreve o problema com a interpretação dos riscos relativos {Goldacre, 2016 # 10926}. Isso descreve o que aconteceu na mídia quando eles relataram um novo medicamento: rosuvastatina “A maioria dos jornais chamou de“ medicamento maravilhoso ”. The Express , abençoo-os, achou que era uma droga totalmente nova. "Os ataques cardíacos foram cortados em 54%, os derrames em 48% e a necessidade de angioplastia ou desvio em 46% entre o grupo de Crestor (a marca da rosuvastatina) em comparação com aqueles que tomam placebo ou pílula", disse. o Daily Mail. Coisas dramáticas. O the Guardian informou: "Os pesquisadores descobriram que no grupo que tomava o medicamento, o risco de ataque cardíaco diminuiu 54% e o derrame 48%". Isso é verdade? Sim. Esses são os números sobre risco, expressos como algo chamado "Redução Relativa de Risco". É o maior número possível para expressar a mudança de risco. Mas 54% menor do que o que? Este foi um estudo que avaliou se vale a pena tomar uma estatina se você estiver com baixo risco de ataque cardíaco (ou derrame), como medida preventiva: é um mercado enorme - pessoas normais - mas também são pessoas cuja linha de base o risco já é muito baixo. Se você expressar exatamente os mesmos riscos do mesmo teste que uma "Redução absoluta de risco", de repente eles parecerão um pouco menos emocionantes. No placebo, seu risco de ataque cardíaco no estudo foi de 0,37 eventos por 100 pessoas / ano e, se você estava tomando rosuvastatina, caiu para 0,17 eventos por 100 pessoas / ano. 0,37 a 0,17. Woohoo. E você tem que tomar uma pílula todos os dias. E pode ter efeitos colaterais ”. A enorme redução de 55% nas doenças cardiovasculares é uma história semelhante e se torna muito menos espetacular quando expressa como um risco absoluto. Em outros lugares do documentário, há outra menção a um risco relativo. Comer carnes processadas todos os dias aumenta o risco de câncer colorretal em 17%. O risco absoluto é muito menor e, embora seja claro que qualquer aumento de risco é indesejável, mostra como a apresentação das informações pode ser enganosa. Após a declaração “As pessoas que obtêm suas proteínas de fontes vegetais reduzem seu risco de doenças cardiovasculares em 55%!”, O documentário continua: “Também ajudaria a explicar por que a única dieta que já foi mostrada para reverter doenças cardíacas é uma plant based”. Outra grande reivindicação que não pode ser apoiada, porque este estudo a que estamos nos referindo aqui, usou uma intervenção no estilo de vida. Essa intervenção no estilo de vida incluiu uma dieta vegetariana com pouca gordura, mas também incluiu a interrupção do tabagismo, treinamento para controle do estresse e exercícios moderados). Todas essas intervenções no estilo de vida causaram os efeitos observados juntos, mas isso não significa que qualquer uma das intervenções individuais teria esse efeito. Viés Viés vem em várias formas. De fato, nas aulas de métodos de pesquisa, geralmente aprendemos sobre pelo menos 8 a 10 tipos diferentes de viés. Nosso cérebro é suscetível a preconceitos em nossa tentativa de tornar o mundo ao nosso redor mais fácil de entender. Mas também é perigoso e pode esconder a verdade. Precisamos entender como reconhecer o viés. O documentário nos alerta sobre preconceitos! Estudos financiados pela indústria podem ser tendenciosos! De fato, se um estudo é financiado pela indústria, é importante que isso seja mencionado no artigo, não porque significa que o estudo está errado, mas porque conscientiza o leitor de que há uma maior chance de viés. E o viés está em toda parte, mesmo na ciência, onde enormes esforços são feitos para reduzir todas as formas de viés. Mas existe algum viés potencial no documentário? Com certeza existe e muito! Se seguirmos o dinheiro, isso se tornará evidente rapidamente (James Cameron, produtor executivo - premiado cineasta (Titanic, Avatar), contador de histórias e fundador e CEO da Verdiant Foods, uma empresa de proteína orgânica de ervilha com o objetivo de se tornar “a maior empresa de proteínas de ervilha na América do Norte. ”Quase todos os profissionais médicos entrevistados no documentário também vendem produtos veganos. Pessoas famosas são entrevistadas que são veganas apaixonadas (uma crença apaixonada também causará viés). Não é uma fonte, mas muitas fontes de viés (potencial): o documentário não é objetivo de maneira alguma, mesmo que pretenda ser objetivo, fingindo ser muito científico. Outra diferença entre ciência e pseudociência é que a ciência é uma discussão objetiva e muito seca dos fatos, enquanto a pseudociência tem tudo a ver com emoção: medo, desconfiança, conspirações, descrença, raiva…. Nada disso tem nada a ver com ciência. Infelizmente, um programa de TV sem emoção seria chato e ninguém assistiria, por isso precisamos trazer emoção para mostrar nossos pontos! A indústria da carne está deixando você doente! Você ainda não está com raiva da indústria da carne? Ou nos mudamos para o Zimbábue, onde ouvimos sobre caçadores que querem matar rinocerontes pelo chifre ... não por carne (...) Estou com raiva, como eles podem matar esses belos animais? Vemos um grupo de soldados-heróis que impedirão os assassinos ... mas eu me pergunto o que isso tem a ver com uma dieta plant based? Cruel Fica claro quando o comandante explica que quer proteger animais (rinocerontes e vacas), porque matar é cruel. Esta é a razão pela qual minha filha é vegetariana. A escolha dela. Mas este não é um argumento científico, é emocional. Também não tem nada a ver com saúde ou performance . O documentário passa para a discussão sobre sustentabilidade. Para mim, essa talvez seja a melhor razão, para uma dieta plant based. Mas serei o primeiro a admitir que estou menos familiarizado com esta literatura e, portanto, não posso julgar quão forte é a evidência para os argumentos apresentados aqui. Colesterol de bombeiros O documentário muda para um grupo de bombeiros, muitos com colesterol alto. Eles são informados sobre como a carne é ruim e como os vegetais são bons. Eles vão embora, voltam uma semana mais tarde e adivinhem? O colesterol é melhor e o LDL melhorou. Conclusão: uma dieta baseada em vegetais corrige sua saúde! Mas não poderia ser simplesmente o fato de eles terem aumentado sua ingestão de frutas e legumes? Isso é prova de que a carne é ruim? A conversa é feita por uma pessoa com a palavra KALE em sua camiseta ... talvez já dando um leve viés? Em seguida, o documentário termina mostrando um número impressionante de atletas de alto nível e celebridades que são vegetarianos e obviamente se saíram bem. Um deles é Arnold Schwarzenegger, famoso por sua citação de "você bate como um vegetariano". Na verdade, eu conheci Arnold Schwarzenegger no início do ano no Brasil, quando eu estava falando em uma conferência sobre nutrição. Ele tinha algumas dicas nutricionais para o público que eram bastante básicas (você precisa colocar as coisas certas no seu corpo), mas a mensagem dele neste documentário era bastante sensata: uma vez por semana, se atente ao consumo de carne ... Ele não disse "Largue a carne"! Então, o que devemos comer? O ponto principal da minha análise deste documentário não é que devemos comer carne ou ser vegano. Meu ponto principal é que devemos parar de pensar em preto e branco, boa ou ruim, carnívoro ou vegano! alto teor de gordura ou alto carboidrato. Os antioxidantes são bons, a inflamação é ruim. Alface é boa, salmão e ovos são ruins. Esse pensamento dicotômico é extremamente inútil e não é saudável. Uma alimentação saudável é equilibrada e uma alimentação saudável é garantir que a dieta forneça os nutrientes para seus objetivos específicos. Você pode atingir seus objetivos comendo uma grande variedade de alimentos. Também devemos parar com a pseudociência e fingir que somos baseados na ciência quando, claramente, existe uma escolha radical, linguagem não científica, métodos não são científicos e fontes realmente óbvias de viés, sem uma tentativa de reduzir isso. O documentário, que sem dúvida foi feito com as melhores intenções, alerta sobre o viés, mas depois cai na armadilha de fazer exatamente isso! Read also: https://tacticmethod.com/the-game-changers-scientific-review-and-references/# 1. Losch S, Moghaddam N, Grossschmidt K, et al. Stable isotope and trace element studies on gladiators and contemporary Romans from Ephesus (Turkey, 2nd and 3rd Ct. AD)--mplications for differences in diet. PloS one 2014;9(10):e110489. doi: 10.1371/journal.pone.0110489 [published Online First: 2014/10/22] 2. Tang JE, Moore DR, Kujbida GW, et al. Ingestion of whey hydrolysate, casein, or soy protein isolate: effects on mixed muscle protein synthesis at rest and following resistance exercise in young men. J Appl Physiol (1985) 2009;107(3):987-92. doi: 10.1152/japplphysiol.00076.2009 [published Online First: 2009/07/11] 3. van Vliet S, Burd NA, van Loon LJ. The Skeletal Muscle Anabolic Response to Plant- versus Animal-Based Protein Consumption. J Nutr 2015;145(9):1981-91. doi: 10.3945/jn.114.204305 [published Online First: 2015/08/01] 4. Yang Y, Churchward-Venne TA, Burd NA, et al. Myofibrillar protein synthesis following ingestion of soy protein isolate at rest and after resistance exercise in elderly men. Nutr Metab (Lond) 2012;9(1):57. doi: 10.1186/1743-7075-9-57 [published Online First: 2012/06/16] 5. Wilkinson SB, Tarnopolsky MA, Macdonald MJ, et al. Consumption of fluid skim milk promotes greater muscle protein accretion after resistance exercise than does consumption of an isonitrogenous and isoenergetic soy-protein beverage. Am J Clin Nutr 2007;85(4):1031-40. doi: 85/4/1031 [pii] [published Online First: 2007/04/07] 6. Phillips SM. Nutrient-rich meat proteins in offsetting age-related muscle loss. Meat Sci 2012;92(3):174-8. doi: 10.1016/j.meatsci.2012.04.027 [published Online First: 2012/05/29] 


298 visualizações

Posts recentes

Ver tudo

Siga Paulo Sakuma :

  • Instagram
  • Facebook ícone social
  • Twitter ícone social
  • Telegram-icon
  • YouTube
Se inscreva para receber
minhas novidadas

© 2015 por Paulo Sakuma